Macanitas de Tercena

Sentidas condolencias á familia de Armindo Paiva Santos

alt

A Associacao Cultural de Tercena, comunica que faleceu Sr. Armindo Paiva Santos, fundador e ex director da colectividade.

.

A Associacao Cultural de Tercena e o Rancho Folclorico "As Macanitas"€ endereca a familia, os seus mais sinceros votos de Condolencias.

 

AULAS DE ZUMBA FITNESS 2016/2017

alt

 

HÁ 27 ANOS QUE EXISTE O RANCHO "AS MACANITAS" DE TERCENA

alt

Noticia retirada do Jornal Online "Voz de Torcena" publicado pelo Sr. Fernando Silva

 

Próximas actuações de Folclore

DATA ACTUACAO CONCELHO

01-10-2016

 

Oeiras

02-10-2016 Queijas Oeiras
05-11-2016 Sao Joao da Talha - 11:30 Loures
. . .
 

Regulamento

 

“OS PRIMEIROS PASSOS DO RANCHO FOLCLÓRICO “AS MACANITAS” DE TERCENA”

“OS PRIMEIROS PASSOS DO RANCHO FOLCLÓRICO “AS MACANITAS” DE TERCENA”

image002

Tercena, 12 de Setembro de 2013

OS PRIMEIROS PASSOS DO

RANCHO FOLCLÓRICO “AS MACANITAS” DE TERCENA

Fernando Silva, se bem pensou em criar um rancho folclórico, melhor o fez, pois desde Abril a Agosto de 1989, em escassos quatro meses, para promoção do seu novo estabelecimento,  convidou todos os grupos de folclore sedeados no concelho para ali actuarem em festas e foi então que surgiu a ideia de se formar um grupo em Tercena, começando os ensaios precisamente a 12 de Setembro de 1989, já com  um grande número de aderentes que se prontificou colaborar com ele no novo projecto, chamando para dirigir o grupo, o Carlos Furtado que percebia de folclore  por pertencer ao grupo da sua terra no Ribatejo, já que trabalhava no Centro Paroquial de Barcarena como animador e com Fernando Silva resolveram dar início aos ensaios.

&&&

OS PRIMEIROS PASSOS DO RANCHO FOLCLÓRICO “AS MACANITAS” DE TERCENA

Estávamos em Abril de 1989, dia em que Fernando Silva  determinou encerrar o seu negócio de restauração no famoso restaurante Pico do Arieiro, em Tercena.

Nesse mesmo dia  veio para a sua propriedade designada Quinta do Filinto, também em Tercena por ter sido legada a seu pai e aí começou a desenhar um nova  actividade de restauração e tudo se iniciou nesse mesmo dia, uma vez que  da sua antiga casa vieram alguns utensílios e móveis que chegavam e bem para montar o novo estabelecimento e dar início a uma nova actividade.

Se bem o pensou, melhor o fez e até a Agosto desse mesmo ano, em escassos quatro meses, para promoção do novo estabelecimento,  convidou   todos os grupos de folclore sedeados no concelho para ali actuarem em festas e foi então que surgiu a ideia de  se criar um grupo em Tercena, começando os ensaios precisamente a 12 de Setembro de 1989, já com  um grande número de aderentes que se prontificaram colaborar com Fernando Silva no novo projecto, chamando para dirigir o grupo, o Carlos Furtado que percebia de folclore  por pertencer ao grupo da sua terra no Ribatejo, já que trabalhava no Centro Paroquial de Barcarena como animador e com Fernando Silva resolveram dar início aos ensaios.

Em Fevereiro de 1990  o  novo grupo estava  apto a estrear-se mas faltavam os trajes que acabaram por ser  executados por uma senhora de Porto Salvo  a toda a pressa, já que a data de estreia  estava anunciada para Maio desse ano.

A senhora tinha confeccionado os trajes das marchas de Porto Salvo e foi então que depois de convidada a  executar tal tarefa os mesmos apareceram prontos no curto espaço de três meses.

Para os pagar, uma vez que o grupo ainda não tinha dinheiro,  foi solicitado serem liquidados em três vezes, o que a senhora aceitou e assim aconteceu, pagar os 300 contos, valor do custo total, em três prestações.

A estreia do novo grupo foi marcada para 22 de Maio de 1990 e  João Marques Boletas foi convidado para seu padrinho já que  tinha sido um  grande pioneiro das antigas danças etno-folclóricas em Tercena que terminaram nos anos cinquenta por terem sido  consideradas obsoletas, face ao que a recém criada  televisão portuguesa apresentava.

 

Continuar...